Tagged Favelas

How poverty affects online personalities on social media

In August 2018, I published an article on First Monday about the advent of online self-representations in the context of impoverished communities.

I believe this is one of the most underresearched aspects of social media. The extent to which poverty and inequality could mirror different kinds of self-representation, either by selfies and short text posts on the Internet.

I took on the example of Brazil’s favelas. First because of the past of these communities in the media. They are since a long time de-humanised, de-personalised, and stereotyped; either in telenovelas, films, and in popular discourse. Based on this background, I could check whether the Internet could allow fresh images to flourish and influence the mainstream society.

I first approached the possibilities of new online ‘subjectivities’ from favelas a few years ago for the Discovery Society. Now, I deepen in how these subjectivities can fructify. I discuss the opportunities surrounding the online favelado in a more practical sense. What can they make it of themselves by being online? Below I clarify some of the conceptual tools I used in this research.

What is personality?

I simplified the understanding of such deep psychologic notion by limiting my interest in a generic form of media expressions on the Internet as models for personality.

Despite so many definitions, my aim was to accept the common sense of organised forms of “accounts”, “patterns of feelings.” In my perception, textual references or imagery could embed many of the attributes of personality:

Personality is a system of parts that is organized, develops, and is expressed in a person’s actions.

Personality is about many things: perception and attention, cognition and memory, neurons and brain circuitry…We try to understand the individual human being as a complex whole…[and] to construct a scientifically credible account of human individuality (McAdams, 2006, p. 2).

Personality is the organized, developing system within the individual that represents the collective action of that individual’s major psychological subsystems (Mayer, 2007, p. 14).

Personality refers to those characteristics of the person that account for consistent patterns of feelings, thinking, and behaving (Pervin, Cervone & John, 2005, p. 6)

Social media and ‘personality’

I placed the existence of online personality in contrast with the persistence of past stigmas related to these communities. So I oppose an external inheritance (representation) to a notion of ‘personality’ that stemming from within; from the sharing of everyday experiences on Facebook or Twitter. To what extent could this internal process of self-representing is enough to unmake a background of inherited stereotypes?

I qualified personality also based on social media interactions. It is true that what we call ‘IT  skills’ involve a range of socially-approved behaviours and goals that point to a rather limited form of consensus; But it is possible to look, for instance, at the occurrence of likes as exercises of personality without believing that those who don’t like it on social media wouldn’t have done it if they could.

Another conceptual difficulty of studying poverty within social technology is to go against these platforms’ design. Its commercialism is embedded in tastes and possibilities of its participants. However, even if the use of filters and geotagging are ways to “show off,” which is not in the best interests of the poorest, it could still reveal if poverty is likeable or accepted.

In the end, I targeted the display of personality directly from the content of users’ publications. On the one hand, this approach has not allowed me to extrapolate to the whole issue of social media usage by favela-based users. On the other, it was not possible to assume that every social user was living de facto in a favela, I had to be limit my use to references to the geographical favela. Let’s see some results.

Representing and self-representing

This repeated display of personality could be captured through practices of representing or self-representing. 

Representing on a media perspective exists in the well-watched telenovelas, for example, which has mirrored the life of millions as soft, sympathetic and suburban-like in Avenida Brasil. Internationally, favelas could be stages for drug dealing and violent police Films such as in films such as City of God or Elite Troop. Those are representations.

Then, self-representing appeared as the opposite of these generalist portraits. If not entirely contradicting this past of injustice and violence seen in the favelas, self-representing constantly pointed to the unmaking of the hegemonic face of poverty.  In this sense, I tried to build
not only how poverty defines online personality, but how it leads to other roles and responsibilities assumed by such producers.

Self-representing, whether by expressions, images, and roles described in this content, led me into three main roles that emerge as the contemporary possibilities of the favelado once he or she assumes the control of its authorship. In my First Monday article, I described these roles in its entirety. Below I give you a brief description:

Favela media producers as leaders

Personality in favelas is historically tied to past models of community leadership. While calling themselves journalists, bloggers, and content producers, media producers from favelas distance themselves from the image of these leaders. In other words, there was no evidence that the former individuals have had any influence over interviewed producers through any platform.

In reality, much of what producers have mentioned is about being themselves with their personal habits and tastes. This ‘individuality’ comes up as opposed to speaking on the citizens’ behalf. Fewer producers have said to feel proud of the individuals that used to speak on behalf of the favela, but in a memorialising way.

Favela media producers as journalists

I did not sight that what I conceptualised as ‘self-representation’ is still an advanced affordance that might not be available for all the citizens, as it was for the interviewees. However, those which have voiced it out had positioned themselves as if belonging to a fusion of journalist and amateur content producer.

In fact, media studies literature has said much on the re-invention of alternative media producers as journalists, as well as on how fluid are the barriers of the profession. But as a self-representation, being a journalist has meant a range of things, from informing (in partnership with the mainstream media or not) to finding what to do, organising events, claiming importance. Poverty as a topic of their practice has been directly associated with each producers’ publication.

Favela media producers as culture promoters

Some content has indeed displayed personality in a more conventional way. By doing what they call ‘showing off’, favela media producers could not escape from posting pictures of their stay in whatever hotel rooms they were in (some of whom do it for the first time), or underlining their consumerism habits.

By doing so, they try to bridge their personality with the average middle-class person personality. The difference is that they also open space for burst pipes leaking water, or for the shootings in their communities. There is much of sharing of the Sunday’s barbecue or the pagode in the middle of the streets as it has of bodies lying on the pavement.

Conclusion: New forms of personalising the periphery

The approximation of poverty from social media platforms happens to the extent that these platforms allow these interspersions between the soft and hard aspect of life; whether the favela personality is based on rap, hip-hop, funk, and on transgender singers or personality as a range of constraints faced on first hand (although it is evident that this is persistently their ‘real’ life.)

Thanks to social media, I argue, personality exists in individuals’ well-known hardship, but as different forms of authorship spread through the Internet, the narrative of pleasure and power mingles one of oppression and fear, being the latter increasingly losing ground to the former.

This phenomenon I called the “personalisation of the periphery” which praises individualism and merit but also allows leadership, journalism, and culture amid an increasingly mediatised battle against urban chaos and violence.

In sum, the online favela tends to reduce the cult of the charismatic community leader. This image might still echo on the mass media, but it says more about the mainstream media inability to truly engage with dwellers’ emerging personalities than it denies the existence of more nuances of the process (the new soap operas do not necessarily address these individuals, as seen in other studies.)

In this way, even under several limitations of social media as a representational tool of poverty, this contrast between soft and hard aspects of the discourse has the fluid personality from these communities as the main phenomenon, which deserves a further exploration.

In times of political crisis, could this favela personality change towards a more politicised self? Could it forge a political voice amid the current right-wing turmoil? Could it stop the capture by consumerist forces? All these questions demand scholars’ engagement in methods and scope.

An image, a favela, and my research

I won the City University’s Images of Research award with an image that represented my PhD research.

The photo shows one of the gigantic sculptures by Projeto Morrinho, an art project that started out from Rio de Janeiro’s favelas. It consists of – literally – a mountain of bricks colourfully painted in a way to represent a favela community, with its tiny streets, and colourful dwellings up on the hill. It carries positive messages and small figurines, which give a realist but with a touch of fun and grace.

I had captured the image while on a visit to the Museum of Art of Rio de Janeiro, in 2016, then recently refurbished.

I thought this image illustrated my research because it had everything I looked at in media producers from Brazil’s periphery: It showed improvisation, community-spirit, and the right of self-representation, which is a new possibility for Brazil’s disadvantaged populations.

The way that Projeto Morrinho has proudly assembled the installation, which showed one of the region’s which Brazilians had been most ashamed of, either because of its poverty or precariousness, explains how the perception of these communities has changed, within it and outside. They communicated not only hope but a will to confront reality with joy, strength and creativity.

Pensando em favelas como fundações: O caso das Community Land Trusts

Quando observamos a realidade de algumas favelas cariocas, é normal nos renderemos aos problemas. Favelas que sofrem incêndios; outras são palco para a violência urbana. Além do enorme sofrimento impingido aos cidadãos que habitam essas comunidades, há também o problema de custo para o Estado, e a dificuldade em manter novos modelos de gestão, como no caso da UPP para a segurança, que hoje passa por crises.

A visão que cresce a cada dia, no Brasil e internacionalmente, é que a favela, um tipo de comunidade tão tipicamente brasileira, deve ser aprimorada e gerida não como qualquer bairro, mas levando em consideração sua história e estrutura habitacional.

O site Rio on Watch publicou recentemente um estudo sobre o conceito de Community Land Trusts (CLTs), pesando os prós e contras deste modelo para o caso das favelas. Eu pus aqui algumas informações básicas que ajudam a imaginar a implementação deste modelo no Brasil.

Doações, voluntariado e autogestão

As CLTs nasceram de uma ideia do guru e ativista indiano Vinova Bhave. Líder de um movimento de liberação chamado Bhoodan, Bhave propôs, ainda na primeira metade do século XX, conseguir terrenos por meio de doação, para que se construíssem assentamentos destinados a moradia popular, os Gramdans.

 Nos Estados Unidos, a ideia de Bhave inspirou o também ativista Robert Swann (1918-2003) a importar o modelo, levando este a construir pequenos lotes na costa leste dos EUA.

Foi, entretanto, nas comunidades negras do sul, ameaçadas de despejo e perseguição racial, que a possibilidade de comunidades se unirem para comprar o próprio terreno de suas casas (não em unidades) que o modelo tornou-se replicável. A comunidade deixou de ser um piloto para se transformar em uma entidade legal.

Desde então, pertencer a uma CLT quer dizer unir-se a outros moradores para, de posse de um terreno, construir casas a preços módicos, seja por meio de mão de obra voluntária, ou por meio de parcerias com empresas de construção. A associação depois gere a comunidade, formando-se um tipo de “condomínio”. Também por meio de trabalho voluntário, é possível livrar-se de despesas e taxas mensais de manutenção do seu espaço. Alguns participantes, aliás, especialmente nos EUA e Europa, têm dado depoimentos positivos sobre a experiência de “operar” sua própria comunidade.

CLT na Flórida

Hoje nos Estados Unidos existem cerca de 240 associações que conseguiram se firmar, a maior delas detendo mais de 2000 casas, no estado do Vermont. No Reino Unido, o número está próximo de 170 unidades implementadas.

Embora a base das CLTs esteja muito ligada ao meio rural e à “terra”- como podemos ver no vídeo abaixo – sua aplicação tem sido pensada como uma alternativa urbana, especialmente contra a gentrificação. Neste caso, os mesmos grupos adquirem terrenos menores, mas o princípio da autogestão permanece o mesmo. No Reino Unido, o modelo prosperou porque na última década, grande fundações como a Carnegie Foundation deram ajudas substanciais para que comunidades pudessem adquirir grandes lotes.

https://www.youtube.com/watch?v=kKK3DWVxkps

A CLT network é uma organização sem fins lucrativos que organiza grupos interessados em todo o Reino Unido, mas iniciativas semelhantes têm se multiplicado em toda a Europa. Na Bélgica, outro exemplo de sucesso, alguns projetos agora começam a ser apoiados pelo governo. Na França, o parlamento entrou na discussão desse modelo para viabilizar habitações para famílias de baixa renda.

Modelo jurídicos

Voltando à questão da favela, o relatório do portal Rio on Watch deixa claro que Community Land Trusts são oportunidades a serem investigadas, especialmente em áreas em que há bastante interesse do mercado. A favela da Rocinha por exemplo, vista como uma opção ideal para um potencial setor hoteleiro, reuniria requisitos básicos para a implementação de uma CLT. O acesso ao terreno pelos moradores, por outro lado, dificuldades existem devido a uma possível inflação no preço no momento da vida para uma única entidade. Haveria de se ter algum suporte do governo.

Há também outras questões pendentes. Não só por este ser um experimento incipiente, até agora só testado em sociedades bem diferentes do que a brasileira, mas também no que diz respeito a aspectos legal.

Em primeiro lugar, como seria traduzido o que chamamos de trust? No Brasil, seria certamente algo como fundação, mas que poderia também ser chamado de “associação de moradores”. “Organização Social” (OS) poderia por outro lado ser um modelo ideal como entidade jurídica, embora seja mais usada para gerir museus e entidades culturais.

Assim como o Kibbutz israelense, outro modelo de sucesso, as CLTs também são resultado de uma forte coesão social. No caso israelense, que difere em vários outros aspectos das CLT americanas e europeias, o objetivo final é facilitar a moradia conjunta, muito guiado pela imigração massiva ao país, convivência essa que é ajudada pela religião, e por uma população agricultora.

Realidades

No caso das favelas e outras comunidades periféricas do Brasil, é impossível prever se haveria uma unidade forte que faça diferenças lideranças entrarem e se manterem num regime de sociedade que compartilhe os mesmos recursos. Por exemplo, haveria dúvidas sobre o desafio de fazer 50.000 pessoas “donas” de um mesmo terreno, ou seja, em fazê-las concordarem nos mesmos objetivos, e ainda investirem o seu tempo e recursos na construção e manutenção de áreas comuns.

Conhecendo mais de perto algumas CLTs implementadas em subúrbios de Londres, por exemplo, há um projeto aberto próximo ao Parque Olímpico, no leste da cidade. Há cerca de 23 casas construídas e outras cem planejadas.

Em todo o processo, moradores me contaram que foi necessário um comitê gestor que tomasse decisões como a quantidade de investimentos, aprovasse gastos para reparos. O mais difícil, segundo eles, foi determinar os próximos passos pensando em toda a comunidade, inclusive o de enfrentar a especulação imobiliária que inflou os preços de imóveis na cidade toda, o que poderia – e ainda pode – influenciar os participantes para que se desfizessem dos seus imóveis.

No Brasil, mais próximos deste modelo de gestão centralizada estão os condomínios fechados. Por mais que hoje estes “bairros” sejam antíteses das favelas em vários sentidos, além de demarcadores para classes sociais mais abastadas, como é Alphaville, em São Paulo, este ainda assim é um modelo de bairro planejado, que poderia servir para outros propósitos e públicos.

Tempo de soluções

Num futuro não muito distante, comunidades centenárias e cheias de histórias como as favelas, poderiam formar-se como uma única unidade administrativa? No caso de a resposta ser sim, esta “organização” poderia ser fundada a partir do atual conceito de lideranças comunitárias? Estaria a população disposta e madura para compartilhar tais decisões? Como a relação com agentes externos, como a polícia ou serviços urbanos funcionariam em território privado?

Essas perguntas devem ser respondidas também no sentido de, sendo ou não uma CLT, não isolar-se ainda mais as favelas. Moradores têm demonstrado cada vez mais vontade de se integrar à cidade, como no livro da Beatriz Jaguaribe sobre o Rio de Janeiro. Muitos gostariam de se ver morando em um bairro como outro qualquer. A desigualdade acentuada pela crise econômica, os desafios de gestão, e a baixa prioridade recebida por diferente governos pedem, por outro lado, uma solução harmonizada para favelas e periferias, mas que não criem novos guetos.

Modelos no mundo estão começando a ser testados, como o das habitações customizáveis do Chile, mas tais saídas ainda estão longe de serem unanimidades. Também há desafios em como se “gerir” comunidades e, aliás, será que elas precisam de gestão? Será que apenas sanando as desigualdades estruturais não seria o bastante?

A solução para favela, assim como outras comunidades cujos direitos fundamentais são sistematicamente negados pelo Estado, passa inevitavelmente por novas alternativas de organização, incluindo a questão da tomada de decisão como um grupo. As CLTs podem inspirar uma conversa sobre como responder à indiferença oficial, o que depende cada vez mais da maneira na qual seus habitantes se relacionam e, assim, se fortalecem.

Leia mais:

Associação de CLTs do Reio Unido (em inglês)

Entrevista com uma moradora de um CLT no Reino Unido (em inglês)

Relatório completo do site Rio on Watch